terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Quando todos são um e um é o todo



Um post escrito ao som de Stairway to Heaven
do Led Zeppelin

" And as we wind on down the road
Our shadows taller than our souls
There walks a lady we all know
Who shines white light and wants to show
How everything still turns to gold
And if you listen very hard
The tune will come to you at last
When all are one and one is all, yeah
To be a rock and not to roll
Ooooooooooooh "

Esses últimos dias, fui tomada por uma nostalgia estranha, um sentimento que não consigo decifrar.

Dois meses é muito ou é pouco ?

Como é difícil e ao mesmo tempo fascinante largar trabalho, família, amigos e pessoas queridas para se entregar para o quase desconhecido ...
E a pré nostalgia ataca, como o arroz e feijão da minha mãe, que dentro de alguns dias será apenas uma lembrança no meu estômago. O encontro com meus amigos, será apenas uma foto colada no meu caderno de viagem.

Nessas que a gente percebe o quanto a nossa vida é grande e entrelaçada e como é difícil ficar longe das pessoas que se ama. E que os pequenos atos do dia-a-dia, em situações como essa se transformam em momentos importantes. Puxada de orelha do meu pai? Só daqui dois meses. Outro piquenique em uma tarde de domingo ? Só daqui dois meses. Comer Cheddar McMelt ? Só daqui dois meses. Ouvir meus Cds do Chico Buarque de manhã, bem alto ? Só daqui dois meses.

Mas, como diz outra música muito importante pra mim, Moon River do Louis Armstrong
(eternizada pela Audrey Hepburn no filme Bonequinha de Luxo – um dos meus preferidos e da Monica também )

Há uma grande quantidade de mundo para se ver
Nós procuraremos a extremidade do mesmo arco-íris

Um comentário:

Monica Dinah disse...

Ah Thati, to quase chorando, fiquei um tempão pensando na vida ontem a noite e agora vc escreve essas palavras por aqui! Nossa, acho que desta vez eu além de chorar muito no aeroporto ainda vou olhar para tras para ver o que estou deixando.
Snif!
Monica Dinah