sexta-feira, 21 de março de 2008

Tentando Interagir Com os Locais!

Apesar de eu evitar interagir com estranhos porque nunca dá muito certo, lá fui em minha cruzada estrangeira ser simpática com os locais. Gastando meu espanhol macarronico, ainda abalada pela infecçao, aproveitei que a Thati foi a um locutório descarregar as fotos da máquina e na maior inocencia perguntei ao mocinho responsável se nao havia tecnologia bluetoofh ali para eu descarregar meu celular, ele com aquela cara de argentino bem séria disse que nao, eu devo ter feito uma careta abismada dizendo nao tem bluetoofh aqui que levei minha primeira corta, em plena terça-feira, mal tinha acabado de por o pé na rua. "Nosotros somos pobres acá" disse o simpático mocinho e se foi todo afendido e eu fiquei com cara de nada ali parada, pasma. Lógico que isso virou nossa piada interna, mas tenha dó né!

Daí mal chegamos no hostel, ainda traumatizada pelo fora, conversando com o mocinho da recepçao lá vem a segunda cortada, "de onde vcs sao, SP, entao sao milionárias". Meu qual é o problema do pessoal????

Estamos aproveitando que somos ricas acá para desfrutar da valorizaçao do real frente ao peso argentino, mas coitados dos manos portenhos, a cada cinco palavras que eles proferem, duas sao crise economica.

Ainda por causa da quebra acho que em 2004, eles dispensaram o uso de cartoes, crédito ou débito. Começa a aparecer nas lojas o incentivo a compra com "tarjeta" de crédito em vezes sem juros, mas mesmo assim o que se vê sao as cédulas de pesos rolando por aí. Nao se vê as pessoas sacando o cartao como em SP por exemplo, aqui para nés é mais prático pagar "cuentas" grandes com cartao para nao ficar sacando dinheiro e pagando taxa pra banco, mas sempre que eu pago alguma conta com meu cartao de débito Itaú eles perguntam "caja de ahorro"? ou seja, poupança. E eu tenho de ficar atenta porque sempre uso a "cuenta corriente".

Para qualquer um, pagou com cartao tem de apresentar documento, isso é legal, assim coordena a situaçao.


Pelo que vemos nas ruas, a situaçao econômica nao é das melhores, tem muito mendigo pelas "calles" revirando lixo atrás do que vender e por isso mesmo essa regiao do centro, entre 9 de julio e arredores, super turística por sinal, fica imunda com lixo voando para todos os lados. Se eles nao derem um jeito nisso, vai afetar o turismo mais para frente.

Eles têm o hábito europeu de comer do lado de fora dos restaurantes para aproveitar a paisagem, ver gente, aproveitar o dia, mas com o aluviao de pedintes nacionais e internacionais que aborda as pessoas sentadas nas mesinhas de cafés e restaurantes, nao sei por quanto tempo essa tradiçao vai durar.
É uma pena ver isso assim em Buenos Aires, porque o que vimos é um povo orgulhoso de suas raizes e tradiçoes, mas abalados por erros do passados. Felizmente, pelo que leio nos jornais daqui e pelo que vejo andando pela cidade, parece que a situaçao começa a melhorar, a economia começa a crescer. Uma prova desse crescimento, assim como se observa em SP, sao as inúmeras reformas pela cidade. Sabemos que quando as pessoas reformam suas casas e seus monumentos históricos é porque está sobrando algum dinheiro, o que significa que felizmente a economia vai reencontrando seu eixo.

Tomara mesmo que a Argentina vá pelo mesmo caminho do Brasil e consiga se desfazer de anos de desfavorecimento economico por conta de favorecimentos políticos a um grupo privilegiado da sociedade empresarial. Por exemplo, a comida da Argentina tem gosto de comida e nao de conservante como as vezes parece no Brasil. A carne tem sabor de carne... Bom vou parando por aqui senao meu sangue ferve e o blog que deveria ser de descontraçao vai virar panfletagem política.
É isso aí!

Um comentário:

Anônimo disse...

Filha,

Eles são chorôes e cínicos. Bão precisa ser rico para entender de economia. Eta racinha burralda essa de argentinos. Sempre tiveram e sempre terão inveja da gente .
Baccione